Iorana Korua/Koho-Mai/Bem-Vindo/Yaa'hata'/Che-Hun-Ta-Mo/Kedu/Imaynalla Kasanki Llaktamasi/Tsilugi/Mba'éichapa/Bienvenido/Benvenuto/Yá´at´ééh/Liaali/Bienvenue/Welcome/Kamisaraki Jillatanaka Kullanaka/Mari Mari Kom Pu Che/Etorri/Dzieñ Dobry/Bienplegau/Καλώς Ήρθατε/ Kamisaraki Jillatanaka Kullanaka/Sensak Pichau!!

Meu compromisso é com a Memória do "Invisível".

Pelo direito a autodeterminação dos povos e apoiando a descolonização do saber.

Ano 5523 de Abya Yala

523 anos de Resistência Indígena Continental.

JALLALLA PACHAMAMA, SUMAQ MAMA!

Témet timuyayaualúuat sansé uan ni taltikpak
Nós mesmos giramos unidos ao Universo.
Memória, Resistência e Consciência.

7.5.10

Denúncia: assassinato de Cacique Diaguita Javier Chocobar na Argentina.

Sem palavras frente a tanta violência.

O registro brutal e impressionante feito por um cinegrafista exatamente na hora em que o Cacique Diaguita Javier Chocobar foi assassinado na Provícia de Tucumán. Este vídeo foi recuperado pela Gendarmería Nacional Argentina fazem alguns dias e avisaram que os criminosos estão em liberdade.
O assassinato do líder indígena aconteceu em 12 de outrubro de 2009 (significativa data). No vídeo podemos ver um dos assassinos ameaçar com uma arma os membros da comunidade Diaguita de Chuschugasta, a 60 quilômetros da capital.
As imagens mostram um homem chamado Luís conhecido por "el niño" Gómez que foi um grande repressor na última ditadura argentina fazendo ameaças e disparando sua arma.
Os outros investigados são Darío Amín (que realizou a fimagem) e José Valdieso que se encontram em liberdade. 
A "Gendarmería" recuperou outra gravação aonde se pode escutar a Darío Amín dizendo “no sé para que sacan fotos si en el tribunal no le dan importancia”. Com as duas provas do assassinato, as organizações defensoras dos direitos humanos estão pressionando o governo argentino para que a justiça seja feita.


*Por favor escrevam para a Casa Rosada como eu fiz, exigindo que a justiça seja feita.


Fonte:

E-Mail

Postagens populares

Se você é capaz de tremer de indignação a cada vez que se comete uma injustiça no mundo, então somos companheiros."